domingo, 17 de setembro de 2017

No Salão do Automóvel em Frankfurt: a integração do carro com a casa inteligente


Fonte: Smart Lighting

Os designers de iluminação da Philips Lighting, líder mundial em iluminação, colaboraram com a empresa automobilista Renault em um conceito exclusivo de carro e uma casa inteligente que apresentaram no Salão do Automóvel de Frankfurt. O Renault SYMBIOZ, um automóvel autônomo elétrico e conectado, não é apenas um carro.

O novo conceito de carro Renault explora o futuro da mobilidade, interagindo com o seu ecossistema. É uma extensão da casa. A tecnologia digital a bordo do veículo faz dele um espaço interativo e personalizado que conecta passageiros com outros veículos, pessoas e tecnologias na casa inteligente, como a iluminação LED conectada pela Philips.

Estacionada na casa inteligente, a SYMBIOZ funciona como uma sala confortável e modular. O seu interior foi inspirado pelo design das salas de estar. Como um ambiente elegante aberto ou fechado, o carro liga e interage com todos os tipos de dispositivos e aparelhos em casa, tornando-o um espaço ideal para trabalhar ou relaxar. Seu sistema operacional controla a iluminação.

SYMBIOZ entra no nível do térreo, as paredes se iluminam automaticamente com boas vindas, iluminadas por Philips Luminous Surfaces. O carro é então colocado em uma plataforma que o levanta para a sala de estar ou para o terraço. O cilindro da peça central da casa que contém a plataforma é iluminado com 5.368 pontos dinâmicos, o Philips Color Kinetics iW Flex LED, são pontos de luz que mudam seu tom branco para ilustrar o estado da conectividade entre carro e casa; por exemplo, quando o carro está carregando ou em modo des espera.


terça-feira, 12 de setembro de 2017

Um beneficio para todos

Este artigo, de autoria do Diretor Tecnico da AURESIDE, George Wootton, mostra os beneficios da implantação de sistemas de automação nas áreas comuns de condominios



ARTIGO: Um benefício para todos
Quando um edifício adota a automação predial, todos os condôminos saem ganhando.

O artigo foi publicado na edição 149 da revista Audio & Video Design e pode ser visualizado clicando neste link

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Cinco caracteristicas de Prédios Eficientes que transformam o local de trabalho

(Fonte: Forbes)

Dizer que os incoporadores de novos edifícios se tornaram criativos com o local de trabalho seria uma subavaliação. Na busca de criar edifícios de escritórios os mais agradáveis ou os mais originais, vimos uma série de instalações ostentosas: simuladores de golfe, salões com piscina na cobertura, spas, spas para cães e até paredes para escalada. Isso certamente pode ser atraente para uma empresa à procura de vantagens extras em seu ambiente de escritório, e é um excelente tema para as redes sociais - mas os incorporadores mais experientes estão fazendo investimentos estratégicos em atualizações que beneficiam mais ampla e consistentemente tanto o proprietário como o inquilino.

Líderes em todo o mundo do setor imobiliário comercial estão se ajustando cada vez mais às tendências de construção inteligente. O termo "construção inteligente" é sugerido até de forma subliminar, mas geralmente se refere a sistemas de gerenciamento habilitados para rede que ajudam a automatizar as operações de um empreendimento.

Essas tecnologias, uma vez consideradas revolucionárias, estão se tornando o básico nos principais edifícios de escritórios de hoje.

Para as empresas que procuram espaço para escritórios, é importante saber que localizar um edifício inteligente pode ter benefícios substanciais, incluindo: reduzir os custos, economizar tempo e simplesmente promover uma maior sensação de conforto e facilidade para os funcionários (desde que o próprio edifício esteja equipado com o infraestrutura para suportar esses usos).

Aqui estão cinco exemplos de recursos de prédios inteligentes habilitados que podem causar um grande impacto no seu ambiente de escritório:

Sistemas de climatização (HVAC) otimizados
A revista Facility Executive citou recentemente um estudo de caso sobre a otimização de aquecimento, ventilação e ar condicionado (HVAC) que descreveu como usar o software avançado para controlar fatores como "fluxos de água, velocidades da bomba e velocidade de ventilação, mantendo temperaturas fixas". Para muitos edifícios, aquecimento e resfriamento manual de escritórios individuais podem representar mais de um terço do consumo total de água de um prédio.

No exemplo exibido, um prédio de escritórios de 220 mil metros quadrados operando 24 horas por dia usou 2,200 toneladas de energia de refrigeração. Quando mudou para um sistema HVAC baseado em rede que calculava automaticamente as melhores maneiras de aquecer, refrigerar e ventilar com base na hora do dia, o prédio poupou 364,921 litros de água por ano.

Através do uso de sistemas automatizados de HVAC que continuamente "maximizam o desempenho de todo o sistema", o Rockefeller Group obteve grandes reduções de CO2 - quase 3.000 toneladas por ano - no Time-Life Building, uma torre de escritório de quase 2 milhões de metros quadrados no centro de Manhattan.

Reduções de eletricidade gerenciadas

Comprometidos com a manutenção do consumo de eletricidade dentro de níveis sustentáveis ​​nos dias de verão mais quentes, muitos serviços públicos oferecem vários incentivos de "resposta à demanda", projetados para ajudar a garantir a confiabilidade do sistema.

Na Califórnia, o "Programa de redução de carga programada" da PG & E incentiva os proprietários para reduzir o uso de eletricidade durante o horário de pico. Durante os períodos escolhidos, os proprietários de edifícios concordam em reduzir o uso em pelo menos 15% da demanda mensal média ou por 100 quilowatts - o que for maior Os proprietários podem usar sistemas de controle inteligentes para efetuar as reduções programadas e certificar de forma eficiente que as reduções tenham ocorrido. Os proprietários que entregam seu compromisso ganham 10 centavos por cada quilowatt-hora que reduziram - uma economia que pode ser transmitida ao seu negócios através de despesas op-ex reduzidas ou de uma conta de eletricidade menor.

Segurança maximizada

Os edifícios inteligentes de hoje também utilizam sistemas baseados em rede para manter a segurança do edifício. Uma grande empresa de segurança remotamente oferece um serviço de gerenciamento de visitantes que permite às empresas usar o registro de visitantes diretamente de seu cliente de e-mail. Isso pode acelerar drasticamente o processo de check-in dos seus visitantes, enviando por email códigos de barras amigáveis ​​para os visitantes.

Existem também vários provedores de segurança que oferecem sistemas de detecção de intrusão sem fio, permitindo que os gerentes de operação escolham entre um espectro de transmissores móveis e sensores de movimento, a fim de automatizar a proteção de escritórios, mesmo durante horas extras.

Sensores inteligentes para iluminação

A sede de Manhattan do New York Times de 52 andares e com de 52 anos , foi projetada para usar 1,28 watts de energia de iluminação por pé quadrado. A editora implementou um sistema de gerenciamento que alinha controles de iluminação, sombras de janela motorizadas, sensores, balastros digitais e drivers de LED, tudo sob um único guarda-chuva de software apoiado por uma interface baseada na web. O sistema reduziu o uso para aproximadamente 0,4 watts por metro quadrado - uma economia de energia de 70%.

Em outro exemplo, a AT & T baixou as despesas de iluminação através de um programa piloto em 240 propriedades com uma média de aproximadamente 83 mil metros quadrados de tamanho. A iluminação fluorescente foi substituída por iluminação LED com economia de energia integrada com sistemas de sensores inteligentes que são habilitados por redes sem fio escaláveis. Os sensores monitoram tais dinâmicas como ocupação em tempo real, níveis de luz, temperatura e consumo de energia. O retrofit economizou para a empresa aproximadamente US $ 8 milhões por ano.

Aparelhos controlados de locais remotos

Para qualquer operação com uma grande cozinha, os sistemas de refrigeração e congelador baseados em rede não são apenas convenientes - eles também podem reduzir custos. Esse monitoramento pode evitar grandes perdas associadas com produtos estragados ou inutilizáveis ​​e ajudar com o orçamento geral. Esses sistemas podem rastrear e relatar remotamente temperaturas em várias zonas dentro de uma única unidade. Eles também podem monitorar variáveis, incluindo umidade, luz, temperaturas externas e um uso de eletricidade do refrigerador ou do freezer. As instalações médicas podem beneficiar de forma semelhante ao monitorar seus sistemas de refrigeração e congelamento.

Claro, a tecnologia de construção inteligente é tão eficaz quanto a própria conectividade de internet do prédio. O que é importante lembrar é que muitos recursos de construção inteligentes são extraordinariamente sofisticados e interligados. Muitas vezes, os próprios recursos inteligentes requerem infraestrutura adicional, como conexões de fibra de alta velocidade, diversos pontos de acesso e configurações de shafts e tubulações específicas - todas as considerações importantes ao procurar novos escritórios.

Mas com a infraestrutura correta no lugar, seu espaço de trabalho - e negócios - pode se tornar muito mais inteligente.

domingo, 3 de setembro de 2017

Automação Predial se torna cada dia mais viável

(Fonte: IoT For All)


Os maiores edifícios do mundo já contemplam tecnologias inteligentes há anos. Soluções oriundas de líderes do mercado como Honeywell, JCI e Schneider. Mas esses edifícios representam apenas 10% do mercado imobiliário comercial mundial. Então, como ficam os outros 90%?

Até recentemente, a tecnologia de BMS (Building Managemente System)  que monitora e controla sistemas de climatização (HVAC), iluminação, energia e sistemas relacionados não tem sido utilizada em edifícios de menor porte. As tecnologias tradicionais de gerenciamento de edifícios geralmente têm um custo relativamente alto, portanto, pode levar anos obter um retorno positivo do investimento (ROI) em pequenos e médios edifícios. Não é de admirar que quase 90% dos edifícios contenham pouca ou nenhuma tecnologia inteligente! Eles ainda estão procurando por onde começar...

Felizmente, duas tecnologias-chave estão mudando a equação:

1. A internet das coisas encontrando seu lugar

Novas soluções de construção inteligente chegaram sob a forma de sensores, switches e gateways de Internet das Coisas (IoT) de baixo custo e fácil de instalar. Esses dispositivos IoT superam as barreiras de capital que limitam os sistemas tradicionais de gerenciamento de edifícios (BMS). Pela primeira vez, esses novos produtos podem ser implantados de forma econômica por pessoal não especializado em edifícios existentes. Eles são acoplados a aplicativos para análise e visualização. Eles coletam dados críticos e aumentam o alcance dos sistemas BMS existentes. Eles podem até mesmo fornecer funções BMS de nível de entrada para aplicações convencionais em edifícios de menor porte.

É claro que a maioria dessas novas soluções IoT de construção inteligente não são BMS completas no sentido tradicional e com grande quantidade de equipamento. Mas muitos podem dar conta de  processos de usos específicos, como gerenciamento de energia, controle a distancia, alertas, sub-medição por usuários ou controle de termostato. Eles não empregam loops PID (proportional–integral–derivative), mas eles são acessíveis e funcionais o suficiente para fornecer um ROI alto para edifícios intermediários.

2. Existe uma arma secreta na nuvem

O segundo avanço que impulsiona a revolução da tecnologia de construção inteligente é sua arma secreta: ele alavanca a nuvem. A nuvem é um transformador do setor. Está democratizando o mundo dos dados e serviços. As plataformas e ferramentas abertas, baseadas em nuvem permitem que mais desenvolvedores ofereçam aplicativos mais inovadores de forma rápida e econômica. Utilizando a nuvem a obtenção de dados, sua análise e visualização estão mudando as diversas indústrias, deste a área financeira , passando por cuidados de saúde  e até viagens.

A indústria de controles de construção também não ficou imune a esta revolução. Agora, os "grandes dados" gerados pela nova onda de dispositivos IoT embarcados podem ser reunidos em serviços de gerenciamento e análise baseados na nuvem, em redes existentes. Isso permite que dispositivos remotos sejam facilmente monitorados e controlados por gerentes de instalações via smartphones e tablets.

As coisas estão mudando...

Com os novos players reduzindo os custos e proporcionando mais capacidade, a tecnologia de construção inteligente agora é atraente e acessível para os outros 90% do mercado. Exemplos incluem:
  • Plataforma de Gerenciamento de Edifícios da Intel em gateways líderes do setor que estão disponíveis fora da prateleira;
  • Google e Microsoft fornecem dados IoT normalizados para milhares de desenvolvedores de aplicativos através do Google Cloud IoT Core e Azure IoT Suite;
  • Lucid, Altair, Losant, Leverege e outros fornecem aplicativos de construção inteligente com base em nuvem e plataformas de ativação de inicialização rápida que criam valor a partir de dados IoT e hardware de baixo custo;
  • Mesmo alguns dos líderes de controle de construção de hoje como Schneider, KMC e Tridium estão adicionando recursos de nuvem aos seus sistemas

Observe o que mais está mudando: a nova onda de soluções de gerenciamento de construção é amplamente apoiada por pessoas de fora. Estas são empresas de tecnologia globais e altamente influentes, incluindo Intel, Microsoft, Dell e Amazon. Eles podem não ter antecedentes na construção de controles, mas eles são especialistas em TI, nuvem, segurança e tecnologia embutida. E eles estão se movendo rapidamente, fazendo parcerias onde for necessário para construir a profundidade que precisam em aplicativos de construção inteligente.

Não esqueça que essas empresas também possuem grandes canais de vendas e distribuição. Eles estão direcionando ativamente os mercados de IOT que mostram oportunidades significativas. Uma vez que os serviços da IoT e da nuvem estão mudando as soluções de controle de construção das tecnologias operacionais (OT) para a tecnologia da informação (TI), é importante entender que as novas soluções suportadas por esses poderosos jogadores não só envolverão os conhecimentos, mas também podem ter maior credibilidade com departamentos de TI dos clientes.

A indústria de controles de construção está madura para a esta disrupção. Os integradores de sistemas e os revendedores de valor agregado que visam edifícios inteligentes de menor porte estão preparados para tirar proveito desta enorme e nova oportunidade.

sábado, 2 de setembro de 2017

As tecnologias disruptivas e a casa inteligente

Pesquisa publicada pela GARTNER há cerca de um ano listava as 34 tecnolgias mais "disruptivas" da atualidade.

(Antes de prosseguir vamos a uma definição de Tecnologia disruptiva ou inovação disruptiva: Tecnologia disruptiva ou inovação disruptiva é um termo que descreve a inovação tecnológica, produto ou serviço que utiliza uma estratégia disruptiva, em vez de evo­lu­cio­ná­ria ou re­vo­lu­cio­ná­ria, para derrubar uma tecnologia existente dominante no mercado. As tec­no­lo­gias evo­lu­cio­ná­rias provocam me­lho­rias in­cre­men­tais nos produtos/serviços; as re­vo­lu­cio­ná­rias provocam grandes alterações; e as tec­no­lo­gias disruptivas des­troem o que existe, atendendo às mesmas exi­gên­cias dos clien­tes com diferenças bastante significativas, utilizando algo completamente diferente e novo.)

Na imagem abaixo estão listadas estas tecnologias e assinalamos em vermelho aquelas que estão relacionadas diretamente ao tema da Casa (ou Ambiente) Inteligente. É significativa a participação destas tecnologias no contexto geral, como pode se perceber.




As tecnologias foram também colocadas em um gráfico que mostra o periodo em que se espera que elas atinjam a "maturidade" ou seja, que tenham sido absorvidas pelo mercado, no denominado mainstream


Pode-se então concluir que é apenas uma questão de tempo para que tecnologias hoje ainda consideradas como visionárias ou pouco viáveis se tornem uma realidade rotineira


Mais detalhes? Clique aqui

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Impacto de sistemas de automação na performance energética predial

Artigo publicado na revista Lumiere Electric ed. 231 - julho de 2017

Autor: Eng. Fernando Santesso - Diretor de Projetos da AURESIDE

O Brasil
O uso total de energia no Brasil cresceu cerca de 250% nos últimos 40 anos, decorrente em parte por uma rápida industrialização do país, mas também pela crescente demanda residencial e comercial por energia. Logo, as edificações ganharam um destaque importante como consumidores de energia no país.
Apenas para se ter uma ideia, dados do Ministério de Minas e Energia apontam que em 2015, 40% de toda a energia elétrica gerada foi consumido por edificações. O setor residencial, por exemplo, teve uma participação da ordem 27% no aumento do consumo de energia nos períodos entre de 2013 para 2014.
Entretanto, o aumento da demanda por energia não foi acompanhado pelo aumento da oferta e como se sabe, em 2001, o país enfrentou sua principal crise energética, causada por reduções de investimento, crescimento do consumo e escassez de chuvas.
A crise enfrentada trouxe à tona a necessidade da busca por eficiência energética tanto por questões econômicas e estratégicas, como por questões ambientais.
Assim, algumas ações foram tomadas a fim de conscientizar a população sobre os benefícios da utilização eficiente dos recursos energéticos, além de programas e políticas de conservação e uso racional de energia.
Um bom exemplo dessas ações é desenvolvimento o Programa Nacional de Eficiência Energética em Edificações (PROCEL EDIFICA), que promove o uso racional de energia elétrica em edificações para redução de impactos ambientais e desperdícios.
Contudo, assim como outros selos e certificações existentes, a avaliação das edificações tem o enfoque principal nos aspectos de eficiência em: envoltória, iluminação, condicionamento de ar e aquecimento de água. Não deixando claro o impacto do uso de sistemas de automação para contribuir com a eficiência energética e abrindo espaço para alguns questionamentos:
1.       Os sistemas de automação contribuem com a eficiência energética predial?
2.       Se contribuem, qual o efetivo ganho de performance que esses sistemas podem oferecer?

A Europa
Para responder aos questionamentos acima, é necessário entender o processo que levou a Europa a ser uma das sociedades mais avançada na aplicação de sistemas de controle e automação para eficiência energética.
Uma das preocupações centrais de toda a comunidade europeia sempre foi a escassez de fontes de energia. E no início dos anos 2000 o cenário que se apresentava não era nada promissor, apontando que os Estado-Membros da União Europeia enfrentariam grandes desafios, tais como:
·         Dependência de recursos para geração de energia proveniente de outros países, que aumentaria 70% em 10 anos;
·         Aumento das emissões de gás CO2 na atmosfera devido ao processo de geração e consumo de energia;
·         O custo de energia cresceria em um curto espaço de tempo afetando diretamente a competitividade da economia europeia.
Além do que, a capacidade de reservas de petróleo no mundo é finita e a oferta não é segura, por consequência o aumento de preços é inevitável.
Dessa maneira a União Europeia precisava promover políticas voltadas à eficiência energética em especial no desempenho energético dos edifícios dos Estados-Membros.
Foram concebidas, assim, diretivas de desempenho da construção para todos os Estados-Membros da União Europeia. Essas diretivas incentivam a utilização de sistemas de controle ativo e de sistemas de medição inteligentes para fins de poupança de energia, explicitando à automação como uma ferramenta para alcançar tal objetivo.
No entanto, inicialmente, cada Estado definiria metodologias para o cálculo do desempenho energético dos edifícios com base num quadro geral.
Porém, em 2007, como fruto de um esforço conjunto da comunidade europeia foi publicado a primeira versão da norma europeia EN 15232 Performance Energética de Edificações – Impacto da Automação Predial, Controles e Gerenciamento Predial.
Essa norma estabelece parâmetros de comparação e potencial economia de energia com a utilização de sistemas de automação, controle e gestão em edificações, tornando-se uma referência importante para o estudo do impacto de economia com a implantação de sistemas de automação para a performance energética.

A Norma EN 15232
Funções importantes para a eficiência energia dos sistemas automação e gestão predial são o foco da norma EN 15232, que tem como principal objetivo estabelecer a performance produzida pelos sistemas de controle e gestão dos edifícios de forma a otimizar a eficiência energética dos mesmos.
A norma estabelece maneiras para estimar os ganhos potenciais em energia elétrica e térmica por tipo de edificação definindo basicamente dois métodos de estimativa do impacto de sistemas de automação, gestão na eficiência energética dos edifícios.
O primeiro método é chamado de Método Detalhado e pode ser usado ​​em conjunto com a avaliação energética dos edifícios, porém é trabalhoso e faz referência a uma série de outras normas que foram criadas para calcular a eficiência energética de diversos sistemas:  instalações, aquecimento, arrefecimento, ventilação, iluminação e outros.
O segundo método especificado pela norma EN 15232 é o Método Simplificado que determina as chamadas classes de eficiência da edificação através níveis de BACS (Sistemas de Automação e Controle) nela embarcados.
Estas classes definem as funções que têm impacto sobre a eficiência energética dos edifícios e vão de classe A, que oferece o maior nível de controle, integração e ganho energético à classe D, que não oferece qualquer sistema de controle e tão pouco performance energética.
Na verdade, a norma estabelece como parâmetro as edificações classe C, ou seja, edificações que possuem um grau mínimo de controle e recebem por isso o fator 1 de eficiência.
As classes estabelecidas pelo Método Simplificado oferecem de maneira simples um panorama do potencial de economia de energia que uma edificação pode ter ao usar sistemas de automação, controle e gestão, como pode ser visto na Tabela 1.


Tabela 1 – Exemplo de Tabela de Classes com Fator de Eficiência por tipo de Edificação.

Fonte: Adaptado de ABB

Através do Método Simplificado, por exemplo, um projetista pode estimar que ao fazer um escritório enquadrado na classe B de classificação ele terá um potencial de redução de energia elétrica da ordem de 7% através do uso de Sistemas de Automação e Controle.
A ferramenta do Método Simplificado oferecida pela norma EN 15232, demonstra de maneira direta, embora estimada, a performance energética de uma edificação pelo uso de sistema de automação (BACS), além de oferecer um panorama de quais funções de automação contribuem efetivamente para o ganho em performance energética. 

Automação e Performance energética
A norma responde, portanto, aos questionamentos feitos anteriormente e afirma que os Sistema de Automação e Controle de Edifícios (BACS) e a Gestão Técnica de Edifícios (TBM) têm impacto na construção de desempenho energético em muitos aspectos.
O BACS fornece automatização e controle eficaz sobre diversos sistemas de uma edificação, o que leva a aumentar a sua eficiência operacional e energética.
É evidente, que não se pode desprezar o fato de que a evolução e aplicação de sistemas como a iluminação com tecnologia LED e os sistemas de climatização mais eficiente já representam um ganho considerável na economia de energia e têm contribuído para a melhoria na relação de consumo nos edifícios.
Todavia, a necessidade de um sistema de automação integrado para performance energética ainda é subestimada frente ao grande potencial de ganho oferecido. A maioria dos estudos realizados no Brasil pouco apontam para o potencial de utilização de sistemas de controle e gestão em edificações com a finalidade de poupança energética.
A experiência europeia, no entanto, demonstra que há efetivo valor nos sistemas de automação para eficiência energética.
Desde que bem projetado, a incorporação dos sistemas de automação nas construções brasileiras é uma poderosa ferramenta no combate ao desperdício de energia e oferece uma oportunidade de reduzir a necessidade iminente de investimentos em geração, transmissão e distribuição, além de contribuir para economia do país e meio ambiente.

sábado, 22 de julho de 2017

Sistemas de segurança cada vez mais se integram aos de Automação Residencial

Fonte: Herald Democrat

Como os sistemas de segurança em casa continuam a evoluir e se adaptar ao mercado de tecnologia atual, especialistas dizem que a tendência está levando a configurações integradas de casas inteligentes com o controle na ponta dos dedos tornando-se padrão.

"A capacidade de controlar o seu sistema a partir do seu smartphone está se tornando uma tendência que é praticamente um padrão", disse John Palmer, gerente de vendas do Alarme Four Feathers, baseado em Denison.

Palmer disse que a tendência está se movendo em direção ao monitoramento através do celular - esse é o controle total de um sistema de segurança em casa disponível através de um smartphone, e os sistemas de segurança doméstica estão se tornando cada vez mais integrados aos sistemas de automação residencial.

"Os sistemas de segurança agora estão se fundindo com os sistemas de automação residencial, para que você possa controlar tudo, desde a iluminação até o seu ar condicionado passando pelos aparelhos, portas de garagem e fechaduras", disse Palmer.

Larry Stevenson, proprietário do Castle Security LLC, com sede em Sherman, disse que esses sistemas estão integrando cada vez mais itens, como termostatos, luzes e interruptores. Ele disse que para alguns sistemas integrados, os usuários podem programar modos de iluminação para assistir filmes, cenas do início da manhã e até mesmo ligar uma cafeteira em um determinado momento. Stevenson observou que os usuários podem programar alguns sistemas de segurança para enviar notificações de texto se o sistema de alarme não for desativado entre um determinado período de tempo, alertando os pais se seus filhos não chegaram em casa depois da escola, por exemplo.

Para aqueles que procuram um sistema de segurança, Stevenson disse que cada casa é diferente e os proprietários querem coisas diferentes de um sistema. Quando sua empresa está instalando um sistema, ele disse que sempre pergunta o que o proprietário pretende e quais são suas preocupações. Ele disse que os proprietários que instalam sistemas de segurança deveriam fazer seu dever de casa e utilizar uma empresa respeitável e, de preferência, com uma base local, observou.
"Eles devem procurar uma empresa licenciada para fazer a instalação e uma empresa licenciada para fazer o monitoramento", disse Stevenson. "Geralmente, o instalador pode lhe orientar a respeito".

Palmer disse que o objetivo final de qualquer sistema de segurança é dar aos proprietários o conforto de que alguém está cuidando de sua propriedade enquanto eles estão ausentes.

"Eu acho que deve dar-lhe paz de espírito - ou seja, sair de sua casa e definir o seu sistema, sabendo que você tem o controle total do que está acontecendo em casa, sem sequer estar lá", disse Palmer. "Sabendo que se algo acontecer - se alguém fosse entrar em sua casa enquanto você não estiver lá sem sua permissão, ou se houver um principio de incêndio ou inundação, então você tem uma empresa que está trabalhando para você monitorar isso".

A segurança começa com um sistema de alarme. Para um proprietário novo, Palmer disse que recomenda começar com o monitoramento de todas as portas e colocar detectores de movimento em áreas freqüentemente utilizadas, como salas de estar e quartos principais. Ele também recomendou equipar uma casa com detectores de fumaça conectados ao sistema de segurança.

Uma característica cada vez mais popular da segurança doméstica: os sistemas de câmeras estão disponíveis na maioria dos varejistas eletrônicos, mas Stevenson disse que os proprietários devem conversar com um instalador licenciado antes de comprar.

"No que diz respeito aos sistemas de câmeras, a tecnologia está se movendo tão rápido no equipamento que realmente você precisa discutir isso com um instalador credenciado para que você não saia e compre algo que utilize tecnologia obsoleta  ", disse Stevenson.

A qualidade e o custo dos sistemas de câmeras podem ser variados, e muitos estão equipados para visualizar em tempo real a partir de smartphones. Stevenson disse que os proprietários podem pensar que eles precisam de mais câmeras do que realmente é necessário. Ele disse que uma empresa de segurança local pode dirigir um proprietário para equipamentos que irão realizar a tarefa em menor custo.

"Eles realmente precisam visitar alguém para ver exatamente o que é apropriado para sua situação", disse Stevenson. "Porque todos são personalizados e muito raramente instalamos o mesmo conjunto de equipamentos em duas casas diferentes".

Um sistema de alarme pode variar em preços com base nas necessidades de uma casa. Stevenson disse que um sistema básico deve incluir três portas, um detector de movimento e a taxa de instalação. Ele notou que sua empresa não exige contratos de longo prazo e o equipamento é de propriedade do proprietário.

Palmer disse que a tecnologia para sistemas de segurança continua a mudar e as pessoas continuam querendo mais de um sistema.

"As tendências estão começando a tornar-se comuns, onde as pessoas de cerca de cinco a seis anos atrás teriam sido felizes com apenas um sistema de alarme de segurança padrão", disse Palmer. "Agora eles estão querendo interagir com tudo em seu telefone para se conectar a mais pontos em sua casa".